Blog Seupersonaltrainer.com.br Site Seupersonaltrainer.com.br

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Estilo de vida saudável adotado já na velhice também aumenta longevidade

Um idoso que decide adotar uma vida mais saudável, mesmo já tendo passado pelos 75 anos de idade, também pode ter aumentada a sua expectativa de vida, sugere um novo estudo do Instituto Karolinska, na Suécia. Segundo a pesquisa, mudanças adotadas em uma idade avançada, como emagrecer, parar de fumar ou deixar de beber excessivamente, podem estender a vida de uma pessoa mais velha em até cinco anos.

Essas conclusões foram publicadas nesta semana no site do periódico British Medical Journal (BMJ). No artigo, os autores explicam que já é sabido que um estilo de vida não saudável pode contribuir para a mortalidade de pessoas idosas e que hábitos saudáveis adotados ao longo de toda a vida reduz esse risco. No entanto, eram incertos os efeitos desses hábitos adotados pela terceira idade sobre a longevidade de um indivíduo.

Essa pesquisa analisou, ao longo de 18 anos, a sobrevivência de 1.800 idosos maiores do que 75 anos com base em fatores modificáveis, como comportamento, atividades de lazer, estilo de vida, profissão e relacionamento social. Até o final do estudo, 92% dos participantes morreram e metade viveu mais do que 90 anos.

Sobrevivência — As pessoas com maior expectativa de vida foram mais propensas a ser do sexo feminino, a ter um maior nível de escolaridade, a seguir hábitos saudáveis, como praticar atividade física, seguir uma alimentação correta e não ter sobrepeso, a apresentar melhores relacionamentos sociais e a participar mais frequentemente de atividades de lazer do que os indivíduos que viveram por menos tempo.

Segundo o estudo, esses idosos com o menor risco de mortalidade viveram, em média, quatro anos (para mulheres) e cinco anos (para homens) a mais do que os participantes com maior risco de morrerem — ou seja, aqueles que fumavam, bebiam excessivamente, não praticavam atividades físicas ou de lazer e tinham um pobre relacionamento social. Essa maior expectativa de vida foi observada mesmo se o indivíduo tinha mais do que 85 anos e apresentava alguma doença crônica.

A pesquisa também mostrou que, em média, os fumantes morreram um ano mais cedo do que o restante dos indivíduos — tanto aqueles que nunca fumaram quanto os que deixaram o cigarro após os 40 anos de idade. Isso sugere, segundo os autores, que parar de fumar na vida adulta reduz os efeitos do tabagismo sobre a mortalidade. “Nossos resultados mostram que estimular comportamentos de vida favoráveis, mesmo em idades avançadas, pode aumentar a expectativa de vida, provavelmente por redução da morbidade", concluem os autores.

Fonte: Veja

Nenhum comentário:

Facebook SeuPersonal Twitter SeuPersonal RSS SeuPersonal Mundo Corrida